Tempo , , 0°C

Após morte de bebê, Saúde descarta surto de meningite em Poços

Após morte de bebê, Saúde descarta surto de meningite em Poços

Após morte de bebê, Saúde descarta surto de meningite em Poços
março 20
21:02 2019

A morte de um bebê de nove meses de vida nesta terça-feira, 19, ligou o alarme na secretaria de Saúde do município. A criança esta internada desde sábado, 16, em um hospital da cidade, mas segundo o setor de saúde, ele havia recebido a vacina contra o tipo C da doença, disponível no sistema público de saúde e não frequentava escola.

Embora a secretaria de saúde do município tenha registrado a primeira morte este ano em fevereiro, de um homem de 25 anos, a secretaria de saúde descarta um surto da doença.

Segundo a secretaria de Saúde, a Fundação Ezequiel Dias em Belo Horizonte, confirmou no final da tarde desta terça-feira, 19, por meio da análise do líquor, o líquido cerebroespinhal, o diagnóstico de meningite bacteriana do tipo meningocócica, para o bebê de nove meses, que faleceu na madrugada desta terça, na cidade. A criança estava internada no Hospital Poços de Caldas desde o sábado, 16. A doença foi causada pela bactéria Neisseria Meningitidis,no entanto, o sorotipo só deve ser divulgado pela Funed, em duas semanas.

Esta informação é importante para verificar se o tipo da meningite que acometeu o bebê consta ou não, na imunização oferecida pelo SUS. A criança estava com o cartão de vacinação em dia. A Vigilância Epidemiológica acompanhou o caso desde o domingo, 17, quando foi notificada. Como parte de um procedimento padrão, adotado em casos de suspeita de meningite bacteriana meningocócica, foram adotadas medidas de quimioprofilaxia medicamentosa para pessoas que tiveram contato direto com o bebê.

Na série histórica, de 2007 a 2019, consta o registro de 86 casos de meningite no município. Destes, 15 evoluíram para óbito, no período, sendo nove por meningite bacteriana. Em 2019, esta é a segunda morte registrada pela doença, em Poços. Em fevereiro, um homem de 25 anos morreu, vítima de meningite viral. A secretaria de Saúde reforça que não há situação que configure surto no município, já que os dois casos registrados são isolados e não possuem ligação.

Sintomas e Prevenção

Febre, vômito, convulsão, mal estar, náusea, dor de cabeça, rigidez na nuca e no pescoço, aumento da sensibilidade à luz, fadiga e confusão mental são os principais sintomas da meningite, que pode ser viral, bacteriana, de parasitas e por fungos. Como quadro clínico normalmente grave, é fundamental procurar atendimento médico o mais rápido possível, no aparecimento dos primeiros sintomas. Outras formas de prevenção incluem: evitar aglomerações e manter os ambientes ventilados e limpos.

Vacinação

A meningite é uma síndrome que pode ser causada por diferentes agentes infecciosos. Para alguns destes, existem medidas de prevenção primária, como vacinas e quimioprofilaxia. As vacinas estão disponíveis para prevenção das principais causas de meningite bacteriana e fazem parte do calendário de vacinação da criança do Programa Nacional de Imunização.

São elas:

Vacina meningocócica conjugada sorogrupo C: protege contra a Doença Meningocócica causada pelo sorogrupo C;

Vacina pneumocócica 10-valente (conjugada): protege contra as doenças invasivas causadas peloStreptococcus pneumoniae, incluindo meningite.

Pentavalente: protege contra as doenças invasivas causadas pelo Haemophilus influenzae sorotipo b, como meningite, e também contra a difteria, tétano, coqueluche e hepatite B.

BCG: protege contra as formas graves da tuberculose.

O esquema vacinal inclui: primeira dose com 3 meses de vida, segunda dose com 5 meses e primeiro reforço com 12 meses. Lembrando que no primeiro ano de vida, o risco de contrair a doença é maior e que a criança só está efetivamente protegida, depois de receber as três doses da vacina. Há cerca de dois anos, foi disponibilizado pelo Programa Nacional de Imunização, o segundo reforço ou dose única para a faixa etária dos 11 aos 14 anos. Também é importantíssima a imunização dos adolescentes, pois isso protege grande parte da população, por meio da chamada imunização de rebanho.

Em Poços, a cobertura vacinal em 2018, ficou em 81%, o que reforça a importância dos pais ou responsáveis, de levarem as crianças e os adolescentes a uma sala de imunização do município, para atualização do cartão. As doses estão disponíveis o ano inteiro. São 18 pontos de vacinação em todas as áreas da cidade, com atendimento de segunda a sexta-feira, das 8h às 16h30.

Compartilhar

Artigos Relacionados

0 Comentários

Ainda não há comentários!

Não há comentários no momento, você quer adicionar um novo?

Escrever um Comentário

Escrever um Comentário

O seu endereço de email não será publicado.
Campos obrigatórios são marcados *